quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Índio e Cowboy do Mês: Ana e Inês Madeira - Camila Camomila

Hoje temos entrevista dupla.
Com duas meninas encantadoras . A Ana e a Inês.


Lembram-se das ilustrações das crianças dos nossos livros infantis?
 Meninas e meninos alegres e bochechudos, as meninas de vestidos alegres e laçarote  e os meninos de camisa, calções e sapatos de atacadores a correrem pelos jardins e vales com um cesto do lanche ou um brinquedo debaixo do braço?

Observem bem  estas imagens.

 

                 


              





Agora, deliciem-se com estas .

 



                       

Numa  altura em que a roupa de criança é cada vez mais igual, ou é uma réplica da roupa da mãe e pai ou são modelos exagerados  com uma total  profusão de golas, laços e laçarotes que nem deixam os pequenos índios e cowboys respirar e brincar, é impossível não  gostar do magnífico trabalho da Camila Camomila.

Peças clássicas e sóbrias dignas dos melhores livros infantis, feitas à mão, com materiais nobres e duráveis, confortáveis e criadas num ambiente mágico, rodeadas de vales e ribeiros ladeados pela Serra da Estrela.


Meninas e Meninos, Senhoras e Senhores, vejam em primeira mão algumas imagens da Colecção Outono-Inverno da Camila Camomila.



                     


Mais imagens e pormenores em http://www.camilacamomila.com/

E agora leiam a entrevista das talentosas irmãs Ana e Inês Madeira, ou como nós gostamos de chamar, as “Wood Sisters”: a big sister Ana foi a primeira a nascer e esperou quase 7 anos pela small sister Inês.


 1.      O que queria ser quando era criança?
 (Ana) Eu queria ser bailarina, mas não tenho a certeza. 
(Inês) Achava graça à vida dos avós e por isso queria ser reformada.

2.      Melhores memórias de infância?
Temos muitas. A liberdade que tínhamos nas brincadeiras, os mimos e as atenções, sempre fomos as únicas meninas da família. E em Agosto havia um piquenique familiar no rio Zêzere. Mantas de ourelos enormes, melancias fresquinhas e os minutos intermináveis até podermos voltar aos mergulhos. Primos, tios, avós, muita cantiga à desgarrada, muitas histórias e uma grande animação.

3.      Livro infantil preferido?
Adorávamos os livros da Anita, que são um clássico. E mais tarde começámos a gostar dos livros do Wally, que se tornaram um vício.
(Ana) Eu sempre gostei muito de ler porque a televisão lá em casa só chegou quando a minha irmã nasceu.

4.      Filme infantil preferido?
Nunca fomos muito ligadas à televisão.
(Inês) Ainda assim, a hora do Tom Sawyer era sagrada.
(Ana) Quando ia a casa dos avós gostava de ver a Ana dos Cabelos Ruivos, a Heidi, o Tom Sawyer, a Abelha Maia, o Dartacão.

 5.      Música infantil preferida?
(Inês) Não faço ideia, só comecei a perceber o que era música com o “Sumo de Limão” dos Onda Choc.
(Ana) Eu gostava das músicas da Maria Armanda e ouvia em vinil. “Eu vi um sapo” era a minha preferida.

6.      Brinquedo preferido em criança?
 (Ana) Toda a gente achava que eu ir ser um rapaz por isso nunca faltaram pistas de comboios, motas de policia e carrinhos. Mas tinha uma grande devoção por um boneco género nenuco, mas era africano e tinha cabelo e chamava-se Marcelino. 
(Inês) Não me lembro de nenhum brinquedo especial. Mas lembro-me de todas das minhas amigas terem uma barbie e de eu também querer uma. Quando a minha tia me ofereceu a Barbie e o Ken e a Cindy na neve, achei que brincar às barbies não era para mim.

7.      Brincadeira preferida em criança?
Nós brincámos imenso na rua, com os miúdos que vivam perto de nós. Especialmente ao pé dos nossos avós viviam três rapazes que gostavam de cowboys e faziam pistolas com paus e brincávamos todos aos faroeste. Também brincávamos com carrinhos, fazíamos autênticas auto-estradas na terra. Mas a brincadeira preferida era sempre a última antes de inventarmos outra melhor. Era uma alegria e os verões pareciam intermináveis. E hoje continuamos todos a ser amigos.

8.      Se pudesse voltar a ser criança o que faria?
(Ana) Tínhamos aproveitado melhor o tempo, sem dúvida. Sobretudo as histórias da bisavó que ainda conheci bem. Acho que tinha feito uma árvore genealógica com a sua ajuda. Mas naquela altura o tempo parece que não acaba nunca. 
(Inês) Se possível, brincava mais ainda e fazia uma casa na árvore com o Telmo, o meu grande amigo da infância.

9.      Fontes de inspiração para o trabalho e para a vida?
Na vida temos as mesmas inspirações. A avo Jé, o avô Aires e a tia Cá, pessoas que nos marcaram pela alegria, pelo carinho imenso que nos deixaram, pelo que deram de si à vida. Os sonhos, o acreditar e as gargalhadas em conjuntos inspiram-nos e são uma força. As Wood Sister´s estão sempre a “gargalhar”! As memórias que temos das infância, as colchas de lã feitas pela nossa avó Manuela, os vestidos mais giros de favos que as tias nos ofereciam, as hortências da Mémé que eram óptimas para brincar às escondidas, as histórias que ouvíamos sentadas nas mantas de ourelos nas sombras do verão. A infância no campo é cheia de coisas pequeninas, de tradições e saberes, há um sentido profundo do todo, do conjunto. Sempre tivemos uma forte ligação à comunidade e isso desperta-nos e faz com que queiramos nunca perder estas ligações. A vontade que estas memórias permaneçam são o motor fundamental para o nosso trabalho.


10.      Blogues que costumam seguir?
Vemos vários blogues nacionais relacionados com crianças. Ainda neste universo gostamos muito do http://www.georgeandruby.com/ e http://chicchild.com/
Não dispensamos a consulta diária do http://www.babyccinokids.com/shop/, onde a Camila Camomila está representada. É uma plataforma com marcas de todo o mundo, é um blog e tem dicas muito giras desde receitas culinárias até guias de viagem.
Também espreitamos o http://smittenkitchen.com/ quando nos faltam ideias para o lanche.
 E vamos seguindo o trabalho do Diogo que é um biólogo talentoso e um amigo aqui https://www.facebook.com/Ilovebiodiversity
Mas o primeiro da lista agora é http://indiosecowboys.blogspot.pt porque nos transporta para outra atmosfera e dá corda aos sonhos. 




6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Impressionante! Podiam ser aderecistas de filmes de época!

    Susana

    ResponderEliminar
  3. Impressionante! Podiam ser aderecistas de filmes de época!

    Susana

    ResponderEliminar
  4. E as hortênsias da Memé ainda existem...

    ResponderEliminar
  5. Adorei a vossa história irmãs Madeira!..Faz-me lembrar também a minha infância,no campo.Na Beira. Os maiores sucessos para vocês e continuem assim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E da Beira sou eu,Celeste Santos e que escreveu acima

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...